Home / A Douradina

A Douradina

HISTÓRICO DA CRIAÇÃO

Os fundadores da atual cidade de Douradina foram: Luiz Zahran, José Manoel da Silva, João Francisco Janos, Abrão Nunes Cerqueira, Firmo Inácio da Silva, Abílio Janos e José Nunes de Andrade, proprietários dos lotes rurais nº. 7 nº. 8 da quadra 45, nº. 1 e nº. 2 da quadra 44, nº. 7 e nº. 8 da quadra 46 e nº. 1 e 2 da quadra 65, pertencentes ao Núcleo Colonial de Dourados. Resolveram eles lotearem toda a gleba formada por lotes contíguos e à margem de rodovias, a fim de implantar um novo povoado. O resultado desse trabalho foi o nascimento da cidade de Douradina que marcou o dia 20 de dezembro de 1.956 como data de sua fundação. Foi descrita como Distrito pela lei nº. 2.093, de 20 de dezembro de 1.963. O município foi criado pela lei nº. 78 de 12 de maio de 1.980. Comemora-se no dia 12 de maio, sua emancipação política.

Douradina faz parte da Regional de Dourados/MS e destaca como o segundo polo econômico em agropecuária, em função das terras férteis e da sua formação geológica, que apresenta extensas áreas planas sendo cercadas pelo Rio Brilhante e três principais córregos: Laranja Lima, Panambizinho e LaranjaDoce. Este último percorre grande parte do território do município, desaguando no Rio Brilhante

LOCALIZAÇÃO

O Município de Douradina localiza-se na Região Sul do Estado de Mato Grosso do Sul e pertence à Microrregião de Dourados (MRG-10), conforme demonstram as figuras 01 e 02. Encontra-se em latitudes 22º 02’15”S, Longitude 54º 36’33”W e Altitude, na sede, de 303 m, distante cerca de 185 km de Campo Grande, capital do Estado de Mato Grosso do Sul e 40 km da cidade de Dourados, município pólo da região sul do Estado de Mato Grosso do Sul.

LIMITES GEOGRÁFICOS

A limitação das terras do município de Douradina/MS é constituída da seguinte forma: ao norte pelo município de Rio Brilhante/MS, ao sul e a leste pelo município de Dourados/MS e a oeste pelo município de Itaporã/MS.

ÁREA

Segundo o IBGE a área total do município de Douradina é de 280,689 km² ou 28.140 há; equivalente a 0,77% da microrregião Dourados e a 0,08% do Estado de Mato Grosso do Sul.

DIVISÃO MUNICIPAL

Douradina possui dois Distritos, cinco Comunidades Rurais, e uma Reserva Indígena.

QUADRO 01. Distritos e Comunidades Rurais Existentes no Município

As comunidades Rurais são de primordial importância na composição socioeconômica da região, sendo nossa economia baseada na agricultura.

SÍMBOLOS MUNICIPAIS

Figura2. Brasão

Hino do Município

I Entre rios que correm tranquilos
Entre fontes de águas cristalinas
Nasce um dia, de forma pungente
Nossa amada cidade Douradina

ESTRIBILHO
Os teus campos são mais verdes
O teu céu é mais azul
No país és qual estrela
Jóia do Mato Grosso do Sul.

Os teus fortes e heróis pioneiros
Que vieram de todo Brasil
Com trabalho, garra e coragem
Se tornaram um rincão varonil.

Juntos vivem os brancos e Caiuás
Em teu seio, oh amada cidade
Dividindo esse imenso torrão
Em harmonia, paz e liberdade.

Cada dia, sua história se escreve
Com trabalho e muito sucesso
Douradina, cidade do futuro
Tens a marca de um grande progresso.

Teus imensos trigais verdejam
Cereais que são riquezas mil
Nas colheitas se tingem de ouro
És celeiro do nosso Brasil

ASPECTOS POPULACIONAIS

O Município de Douradina/MS é habitado principalmente por famílias de origem nordestina, sendo que a partir da década de 70 iniciou-se um fluxo migratório dos Estados de São Paulo, Paraná e da Região Sul do País, provocado pela expansão de novas áreas, em busca de melhores condições de vida. A população chegou a atingir 8.671 habitantes na área urbana e 3.779 habitantes na área rural, totalizando 12.450 habitantes.

A reduzida capacidade financeira, os custos elevados da produção, a falta de equipamentos e máquinas, fatores climáticos e o lucro reduzido em função dos baixos preços dos produtos agrícolas no mercado frente às despesas da manutenção da atividade contribuíram para que os moradores deixassem o município em busca de terras e trabalho nas regiões de Acre, Rondônia, Mato Grosso e atualmente em Tocantins. Com isso a população estimada em 2014 contava com 5.670 habitantes.(IBGE)

ASPECTOS ECONÔMICOS

O Município de Douradina tem sua economia alicerçada na agricultura, uma vez que é praticamente toda a arrecadação do ICM é proveniente do setor primário, que emprega a maior parte da mão de obra local. Tendo como principal setor empregatício as usinas de cana de açúcar e álcool localizadas nos municípios vizinhos.

As principais atividades econômicas do Município é a agricultura e os agricultores sofrem com a queda terrível do preço da produção na colheita e alto custo para o plantio, a agricultura não serve como meio empregatício para a população, e a pecuária de corte é desenvolvida no sistema extensivo, ocupando as áreas que margeiam os córregos Laranja Doce, Laranja Lima e Rio Brilhante.

PIB – PRODUTO INTERNO BRUTO

Principal indicador da atividade econômica, o PIB – Produto Interno Bruto – exprime o valor da produção realizada dentro das fronteiras geográficas de um país, num determinado período, independentemente da nacionalidade das unidades produtoras. As informações do Produto Interno Bruto dos Municípios são de importância crucial para o desenvolvimento sustentável, independentemente das condições econômicas ou políticas, e pode servir como uma ferramenta potencialmente importante na formação das opções de desenvolvimento e esforços de melhoria social. Os resultados são apresentados pelo IBGE.

ASPECTOS CULTURAIS

No ano de 2005 foi criada a Lei Municipal nº 323/2005 de 06/06/2005 que dispõe sobre o fundo de apoio e investimento a cultura do município de Douradina/MS.

São finalidades do fundo de Apoio e Investimento Cultura do Município de Douradina.

– Apoiar a criação, a produção, a valorização e a difusão das manifestações culturais, com base no pluralismo e na diversidade de expressão;
– Promover o livre acesso da população aos bens, espaços, atividades e aos serviços culturais.
– Estimular o desenvolvimento cultural do município em todas as suas regiões de maneira equilibrada considerando o planejamento e a qualidade das ações culturais.
– apoiar ações de preservações e de recuperação do patrimônio cultural, material e imaterial do município.
– Incentivar o aperfeiçoamento de artistas e técnicos das diversas áreas da expressão da cultura.
– Valorizar os modos de fazer, de criar e de viver dos diferentes grupos formadores da sociedade.

PRINCIPAIS ATIVIDADES CULTURAIS DESENVOLVIDAS PELO MUNICÍPIO

– Reveillon
– Semana dos Povos indígenas
– Copa do Interior de Futsal Feminino
– Comemoração dia das Mães
– Comemoração do Aniversário da Cidade
– Campeonato Municipal de Suíço
– Copa Morena
– Comemoração Dia dos Pais
– Festa Agostina
– Festa dos Veteranos
– Desfile da Independência do Brasil
– Campeonato Municipal de Futsal Masculino
– Campeonato Municipal de Futebol de Salão Feminino
– Copinha Bom de Bola e Bom na Escola de Futsal
– Festa da Padroeira
– Comemoração do Dia da Criança
– Festa do Funcionário Público
– Casas de Artesanatos
– Jogo das Torcidas

ASPECTOS GERAIS DA EDUCAÇÃO

Passando para a análise mais especificamente educacional, ou melhor, aos dados referentes à rede de estabelecimentos que oferecem ensino no município, hoje Douradina consta com um total de 4 escolas, sendo 01( uma) de Educação Infantil e 02 ( duas ) de Ensino Fundamental de 09 anos; 01 ( uma ) oferecendo Ensino Fundamental de 09 anos e Ensino Médio. O Centro de Educação Infantil Arte e Vida, a Escola Municipal Mirena Amélia Batista e a Escola Estadual Barão do Rio Branco, estão localizadas na zona urbana e a Escola Municipal Indígena Joãozinho Carapé Fernando, localiza-se na aldeia Panambi-Lagoa Rica Douradina/MS.

Figura 1 – Centro de Educação Infantil Arte e Vida

O Centro de Educação Infantil Arte e Vida de Douradina foi criado pelo Decreto Nº 24/2000, com a denominação de Escola de Educação Professor Alexandre Adomaitis e recebeu a atual denominação pelo Decreto Nº 007/2004

Figura 2: Escola Municipal Indígena Joãozinho Carapé Fernando

A educação escolar indígena teve início em 1970, mas o reconhecimento da escola indígena que não possuía recurso próprio aconteceu na década de 1990, a educação escolar indígena é administrada em língua materna para revitalizar a cultura e as tradições e reconhecer os direitos e os deveres tornando-se indivíduos sabedores de seus valores dentro de sua comunidade.

A aldeia indígena segundo os agentes de saúde consta aproximadamente com 900 habitantes entre criança Jovens e adultos, localiza-se a 08 km de Douradina/MS, hoje a escola está estruturada e equipada com novas estruturas e equipamentos adequados, comportando 238 alunos e 98% dos professores possuem nível superior e apenas 02% estão na fase de conclusão.

Figura 3: Escola Municipal Mirena Amélia Batista

A Escola Municipal Mirena Amélia Batista foi construída através de convénio firmado entre Prefeitura e o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) do Ministério da Educação. A escola atendia somente 120 alunos no período vespertino. O prefeito de Douradina-MS Saul Freire afirmou que o déficit de salas de aula no município acabou com a inauguração da Escola de Primeiro grau, Escola Municipal Mirena Amélia Batista.

No dia 16 de Fevereiro de 1996 Saul Freire criou esta escola e deu-lhe o nome de sua mãe; Mirena Amélia Batista. Hoje a escola oferece o Ensino Fundamental completo do 1º ao 9º Ano e conta com 33 funcionários, 13 administrativos e 20 docentes.

Figura 4: Escola Estadual Barão do Rio Branco

A história da Escola Estadual Barão do Rio Branco começou quando o então governador do Mato Grosso, José Manoel Fontanillas Fragelli estava de passagem pelo distrito de Douradina, município de Dourados/MT e sabendo disso os moradores fizeram uma reivindicação, para que fosse construída uma escola. O governador pediu que fosse providenciado um terreno, só assim faria a escola, foi quando Abrão Nunes Cerqueira e sua mulher Áurea Barbosa Cerqueira decidiram doar o terreno.

Sendo assim, foi através do Decreto nº2211 de setembro de 1974 que o já mencionado governador resolve criar a escola Escola Estadual de 1º Grau Barão do Rio Branco.

Em 1974 a escola começou a ser construída e em agosto de 1975 ela foi inaugurada, tendo como seu primeiro diretor o professor Miguel Camilo Jacometo e contava com aproximadamente 100 alunos.